Sara Helena Pereira e Silva, Coordenadora Nacional da UAEM Brasil, fala aos presentes na reunião do Fórum Social Brasileiro de Enfrentamento das Doenças Infecciosas e Negligenciadas durante o 53º MedTrop em Cuiabá

Doenças Infecciosas e Negligenciadas em pauta no 53º MedTrop

No fim do mês de Agosto ocorreu o 53º Encontro da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical – o MedTrop. A UAEM Brasil e várias outras organizações que atuam na área de acesso a medicamentos, desde aquelas ligadas à pesquisa até as organizações de pacientes, estiveram reunidas em um encontro do Fórum Brasileiro de Enfrentamento das Doenças Infecciosas e Negligenciadas que aconteceu no domingo de abertura do Congresso. Lá discutimos demandas fundamentais para o enfrentamento das doenças infecciosas e negligenciadas.

O encontro se estendeu desde a manhã até o fim da tarde, quando os participantes aprovaram uma carta de posicionamento a ser lida durante a abertura do 53º MedTrop. 11 pontos fundamentais foram definidos:

  1. Reforçar o papel do Fórum na defesa do Sistema Único de Saúde (SUS), o direito à saúde, intensificando a mobilização contra o sub-financiamento da saúde, enfraquecimento da rede de atenção à saúde, em especial a atenção básica, e baixo incentivo à política nacional de pesquisa e inovação;

  2. Integrar os núcleos de vigilância em saúde com o objetivo de fortalecer o enfrentamento conjunto às doenças negligenciadas;

  3. Promover a articulação entre os Ministérios da Saúde e Educação para o desenvolvimento de competências curriculares mais sensíveis às necessidades das pessoas acometidas pelas doenças negligenciadas;

  4. Fortalecer a qualificação adequada dos profissionais de saúde fomentando a criação de abordagens e protocolos baseados na atenção integral com foco no acolhimento atendimento humanizado e escuta qualificada, inclusive em saúde mental;

  5. Lutar pela ampliação do orçamento dedicado às políticas públicas para enfrentamento dos determinantes sociais de saúde;

  6. Comprometer recursos para pesquisa e inovação, fomentando a capacidade nacional para desenvolvimento de tecnologias de saúde com foco no acesso universal e nas necessidades das pessoas afetadas;

  7. Promover educação, comunicação, empoderamento e desenvolvimento inclusivo das pessoas atingidas pelas doenças infecciosas e negligenciadas voltados para a prevenção e enfrentamento do estigma;

  8. Considerar as demandas apresentadas pelo Fórum Social Brasileiro para enfrentamento de Doenças Infecciosas e Negligenciadas enquanto espaço representativo e legitimo da sociedade civil;

  9. Aprovação de projeto de lei para a criação de, entre outros, uma data federal para o enfrentamento das doenças negligenciadas, além de instituir datas nacionais para enfrentamento de cada doença em alinhamento com as datas internacionais;

  10. Apoio à Ação Direta de Inconstitucionalidade 5658 para reversão do congelamento de recursos imposto pela Emenda constitucional 95/2016;

  11. Estabelecimento de notificação compulsória da Doença de Chagas na sua fase crônica como estratégia para atenção integral à saúde.

A íntegra da carta você pode ler aqui ou clicando no ícone abaixo. A manifestação do Fórum anda lado a lado a outras recentes, por parte da Fiocruz e da própria SBMT, que reforçam a importância do SUS e de um sistema público integral, universal e gratuito de saúde. Estas outras cartas você pode acessar clicando nos ícones abaixo. Confira a seguir também as fotos da reunião:

Carta de Cuiabá - FSBEIN

Carta Aberta SBMT

Carta da Presidência da Fiocruz

Carta do Encontro Fio-Chagas em Petrópolis

Qual a sua opinião sobre isso?

Receba as novidades da UAEM Brasil!Entrar na lista de e-mails
+ +
%d blogueiros gostam disto: